Sindicância sobre sumiço de tratores de programa que custou R$ 28 milhões aos cofres públicos é finalizada; governo faz mistério

A investigação do Estado buscava saber o destino de maquinários entregues em 2013 aos municípios de Colinas do Tocantins, Piraquê, Nazaré do Tocantins e Goiatins, conforme revelou o Norte Agropecuário.


Terminou o prazo para a conclusão da sindicância que apura sumiço de tratores e implementos agrícolas do programa Terra Forte, que custou R$ 28 milhões aos cofres públicos estaduais – a compra foi financiada pelo Banco do Brasil.

Foram dois meses de apuração no âmbito do governo do Estado. O relatório final não foi divulgado pela Secretaria da Agricultura do Estado. O Norte Agropecuário solicitou ao governo informações sobre o resultado do trabalho de três servidores que durou dois meses. Porém, não recebeu nenhuma satisfação sobre o pedido até o início desta manhã.

Informações dão conta que a apuração só conseguiu comprovar o sumiço de dois equipamentos. O Norte Agropecuário aguarda mais detalhes.

A investigação do Estado buscava saber o destino de maquinários entregues em 2013 aos municípios de Colinas do Tocantins, Piraquê, Nazaré do Tocantins e Goiatins, conforme revelou o Norte Agropecuário.

Paralelamente à sindicância do governo do Estado, há investigação sobre o sumiço no Ministério Público Estadual (MPE).

SUMIÇO DOS TRATORES

A sindicância foi aberta com a publicação de portaria no dia 18 de agosto “para abertura de sindicância a fim de apurar responsabilidades de sinistro e sumiço de tratores e equipamentos agrícolas do Programa Terra Forte nos Município de Colinas do Tocantins, Piraquê, Nazaré do Tocantins e Goiatins constante do Processo nº 2017.33000.00001, para apurar a existência de fatos irregulares e determinar os responsáveis”, descreve o ato oficial.

Lançado em 2013, na gestão do governador Siqueira Campos (hoje sem partido), o programa Terra Forte previa investimento de R$ 28 milhões com entrega de tratores e implementos a municípios para atendimento aos agricultores familiares. Na época, a Seagro informou que 100% dos maquinários já haviam sido entregues. E, segundo a gestão, foram disponibilizados a prefeituras, associações e sindicatos rurais 230 tratores, 220 grades aradoras, 226 calcareadeiras, 226 plantadeiras, 106 pulverizadores, 108 roçadeiras, 4 perfuradores de solo, num investimento de mais de R$ 28 milhões.

Fonte: Norte Agropecuario

Verifique também

Estados que formam Matopiba devem produzir 25,4 milhões de toneladas de grãos em 8,8 milhões de hectares em 10 anos

O crescimento da produção na região será de 8,6%. Já o aumento da área produzida …

X